Um casamento explosivo!

BellVil

 

Quer ver alguém enfurecer?

Me convide para madrinha, na hora uma explosão, vai ver acontecer.

Ow experiência terrível, juro que tava de inocente, nem sei onde está o pobre padre, mas garanto que esse... não pode nem me ver.

Seguinte:

No casamento de uma amiga de infância em que fui madrinha (quem mandou ela insistir) bem que eu não queria ser.

Na escola nosso apelido era Cosme e Damião, aprontávamos pra caramba, inseparáveis, não tínhamos segredos uma para a outra, o diretor era nosso fã tinha que ver.

Gostava e nos respeitava tanto que toda semana pedia autógrafos aos nossos pais, eram tantos que já nem tinha mais onde eles escrever.

O primo dela que estudava na mesma classe que eu, acabou sendo padrinho comigo (esse nem falo, era meu alvo predileto) sabe aquele que você usa e abusa e ainda te aplaude, mesmo indo parar na diretoria toda hora, eu aprontava e jogava tudo nas costas dele, não tenho culpa se ele até gostava.

Algo me dizia que não ia dar certo os dois juntos, mas ela fez tanta questão, começou aí a confusão.

O dia do casório chegou, como sempre amei ser diferente, todo mundo curioso pelo segredo que eu mantive como eu iria, já sabia como cada um ia, homens de fraques,ela caprichou, filha única já viu, exagerou legal oito pares de padrinhos, ela morria de curiosidade mas me mantive firme, só na hora H, ela veria.

Quando cheguei na Sacristia até os padrinhos dos outros casamentos ficaram olhando de boca aberta.

Eu mais parecia Jeannie é um gênio, até meus cabelos combinando, meu amiguinho era alto pacas, caprichei no salto 18 cm, eu brilhava tanto que tava me sentindo o próprio vagalume.

O noivo, amigo a tempos também com cara de abobalhado só dizia, caramba Bell, você sempre se supera, mas dessa vez... arrasou!

Disfarça e olha como te olham, está linda demais, ihhh vai apagar a noiva.

Eu ria com o nervosismo dele, não parava de girar a gravata, eu pedia calma e ele parecia que pisava em brasas (problemas de família), a família da noiva não aceitara muito o casamento, e eu, que era tida como filha, arghhh que batata quente segurei pela minha amiga durante namoro e noivado.

Não via a hora que casassem logo, pois iam morar longe, teriam a vida deles, e ninguém mais atrapalhava.

Eu falando sem parar para que ele se acalmasse e nada da noiva chegar, o padre já bravo, anunciou que dois casamentos ia antecipar pela demora, ou a sacristia ia ficar lotada.

Disse a ele, tudo bem Seu Padre, pode mandar bala

Ele me olhou estranho, ué não falei nada demais, já comecei a achar que ele não estava indo com minha cara.

Já estava terminando o segundo casamento e eu já não agüentava mais segurar as pontas na sacristia, comecei a contar piadas.

Finalmente alguém entra e diz em meu ouvido, ela finalmente chegou, tá hiper nervosa o carro quebrou e o socorro só chegou agora pouco.

Bom, deixa pra lá, importante é que chegou e lá fui eu imponente avisar o Seu Padre (devia estar gostando, me olhava toda hora de cima para baixo).

Ele levantou as mãos e disse, graças a DEUS, esse casamento não vejo a hora de terminá-lo.

Eu disse, mas o Sr. nem começou?

Caramba, que foi que eu disse afinal, o olhar dele quase me fulminou.

Maior movimento no altar (ela que inventou tudo aquilo, que trabalheira dos caras para montar um baita arco de flores (gigantesco mesmo), colunas de gesso imensas, meu par...drinho vira e fala baixinho zoando, eita ta parecendo o Coliseu (família dela toda italiana).

Eu comecei a rir e dizia, Mama mia que que isso? olha lá o padre me olhando, só falta ele também achar que isso é obra minha.

O noivo irritado pela demora, grita, eu acho é que ele ta é te paquerando.

Eu azulei, pedi que falasse baixo, padrinhos rindo, credo, parecíamos mais a Família Buscapé.

Aí acenaram para que entrássemos em cena, ops, fossemos para o altar.

Todos combinadinhos, cada par em seu lugar (ainda bem que a igreja era enorme), nem olhei para os convidados, nossa turma toda lá, se olhasse sei que iria começar a rir, eu tinha que ficar séria, briguei com um dos fotógrafos, dá pra parar, você ta me cegando, padrinhos aqui não faltam (mais um que cismou comigo, pensei na hora) e eu cutucando meu par..drinho para que ele parasse de rir.

Ele cochichando toda hora no meu ouvido, pra que tantos fotógrafos e tanta gente filmando?

Eu me segurando e o bandido não parava, já tava cheia de tanto beliscar o braço dele.

Minha amiga entra e logo me olha e sorri (na verdade ela bateu palmas, pode?) eu fazia sinal que não fizesse aquilo, ela era a noiva, tava pegando mal.

Ela nem aí, tava feliz e mal sabia do que eu tava me controlando. Padre nervosinho, fez sinal para que ela subisse logo os degraus.

Eu já tava até vesga de tanto fazer sinais, era para ela, noivo, e meu querido par...drinho (filho da mãe, não parava quieto).

Cerimônia começou, todo mundo acalmou,eu pensava comigo, minha nossa, tô me sentindo estranha, parece que tem algo me agarrando.

Sensação estranha, será emoção?

Queria mudar a posição discretamente, sabe aquela postura de top model? Só queria mudar de perna, mas porque eu não conseguia?

Cutuquei meu par..drinho, abaixa discretamente seu ouvidinho, ele deu uma inclinadinha e o peso que eu sentia, parecia que aumentou.

Perguntei a ele, você ta me segurando? quero me mexer e não consigo, ajuda infeliz, minha perna esquerda está cochilando e formigando, pára de graça e vê o que ta pegando.

Ele olha para trás e começa a rir, eu belisco ele e o padre só olhando. Ele sussura rindo, duas pulseiras tuas estão presas no arranjo.

Eu arregalei os olhos,olhei para trás e tentei puxar o braço e só vi o imenso arco sacolejando.

Pronto, agora sim me meti numa fria legal, pensei de instantâneo. Ajudaaaaaa eu falava sorrindo entre dentes, com vontade era de gritar.

Tô tentando, fica calma, mas não sai, enroscou demais, como você fez isso?

Olha que pergunta mais cretina de se fazer numa situação dessa. Eu disse baixinho e sem deixar de sorrir para disfarçar, quando eu sair disso, me lembra depois de te matar.

De repente, o Padre pára de falar e manda os dois sossegar, pode?

Todos os padrinhos olhando e sem entender nada, a noiva chorando (eu crente que era de emoção, depois me contou que era da situação).

Só sei que quanto mais eu e ele tentávamos me desvencilhar daquele troço, mais o arco mexia, e eu só olhando para o alto.

Olhei finalmente para os convidados e a cabeça deles era só vai e vem, coreografia perfeita com o baita arco bandido que não me desgrudava nem a pau.

O meu par...drinho tentava tirar as pulseiras e nada, cada vez mais ele emaranhava.

Eu e ele estávamos transpirando tanto que eu desesperada só dizia, olha para mim, como está minha maquiagem?

Ele ria e dizia, tá tudo ótimo, só teu cílio que foi parar na sobrancelha, e a tonta aqui acreditou, no desespero dei um safanão (já tinha levado três broncas mesma do padre) uma a mais não vai fazer diferença, só lembro que vi todo mundo olhar para cima, enquanto eu feliz, gritava tirei, tirei.

Logo atrás o arranjo todo despencou e nem o padre se salvou. Parecia fila de dominó, tudo voando, nossa era salve-se quem puder.

Como falaram depois, transformei o casamento numa cena circense.

Quando tudo se ajeitou (meia hora depois, e o arco no chão) o padre perguntou logo o raio do sim ou não aos noivos e a cerimônia terminou.

Que alívio eu senti, todos se abraçando e o padre de mim se aproximando, até q ele foi gentil, me chamou de filha (pensei comigo, a raiva dele já passou).

Que nada, ele me fala no ouvidinho:

- Olha aqui, quando resolver se casar só te peço uma coisa, que não seja nessa Igreja, já não bastava o que a senhorita na Sacristia por quase uma hora e meia me aprontou?

Mas padre, eu só estava relaxando o noivo que que isso? o resto foi acidente de percurso (nem eu agüentei meu cinismo). Ele levantou uma sobrancelha e continuou aí já em tom alto.

Ohhhhhhhh só o noivo? A igreja todinha relaxou, os dois casamentos anteriores, mal consegui pelos noivos ser ouvido do tanto que a Senhorita aprontou, fora o altar que literalmente você detonou (uia, ele falou gíria).

Sei não, acho que ele pensou que eu ia pedir a benção, pois escondeu a mão e apressadamente do altar se retirou.

Só um alerta!

A comédia que eu pensei que havia sido só ali, nussaaaaa, o dia que me der na telha, eu conto sobre a festa, essa entrou para a História, se eu escrever um livro, vira best-seller!